Momentos Compartilhados Compartilhe seu momento

Gabrielle

O apoio da família foi fundamental

Minha família que me ajudou a superar toda essa fase turbulenta pela qual passei, e hoje posso dizer que depois desse tratamento pesado superei todos os obstáculos que a doença me fez passar.

Minha Jornada com DII

Começou em julho de 2016 com fortes cólicas, muita fadiga, perda de peso. Foram realizados diversos exames e nada era encontrado.

Diagnóstico

3 meses após continuar com esses sintomas e os médicos confundirem meu diagnóstico com intolerância a lactose, finalmente foi realizado a colonoscopia em que foi constatada a presença de uma inflamação no reto, foi aí que começou a fase mais difícil que tive que passar...

Depois do diagnóstico

Depois do diagnóstico fui bombardeada com muitos medicamentos, principalmente o corticoide, que foi necessário, pois estava em uma crise aguda em que só o anti-inflamatório não era o suficiente para controlar a doença. Foi aí que começou meu pesadelo, pois tive que ingerir, diariamente, por 1 mês, 60 mg de corticoide. O meu peso passou de 53 kg para 62 kg. Minha aparência ficou horrível, me afetou muito psicologicamente, não tinha vontade de fazer nada, o inchaço, as dores nas articulações muitas vezes eram insuportáveis entre outros efeitos colaterais, que mesmo após ter parado o remédio ainda não deixaram meu organismo. Tenho 21 anos e passar por tudo isso foi realmente muito difícil. Tive muitos surtos por causa do remédio: ele alterou minha mente, meu bem-estar, enfim, tudo em minha vida mudou por causa da doença.

Vivendo com Minha DII

Hoje já faz 1 mês e meio que parei com o corticoide e continuo apenas com os anti-inflamatórios e o imunossupressor. Parte do inchaço já foi embora e minha rotina agora já está quase normal. Apenas o peso e o cansaço que ainda são um problema, mas depois da última ida ao médico o resultado foi de que a Retocolite estava inativa. Agora procuro manter com o medicamento para que a doença não se manifeste.

Conseguindo apoio

Através do apoio do meu namorado e família consegui passar por essa fase de quase 6 meses de sofrimento, se não fosse por eles eu não sei o que teria acontecido, pois fiquei muito deprimida.

Tomando os medicamentos

Continuo fazendo uso do Mesalazina e do Azatioprina para controle da doença.

Meus momentos de superação

Minha família que me ajudou a superar toda essa fase turbulenta pela qual passei, e hoje posso dizer que depois desse tratamento pesado superei todos os obstáculos que a doença me fez passar.

Contando às pessoas

No começo foi difícil de me abrir quando me perguntavam o que tinha acontecido comigo, pois inchei muito. Com o tempo fui falando para as pessoas ao me questionarem sobre o que havia acontecendo comigo.

Conselho

Meu conselho é que todas as pessoas passam por momentos difíceis, mas sempre lembro que nenhum sofrimento é eterno. Hoje estou saudável e me sinto bem e levo uma vida normal.

Meu Futuro

Espero que a doença permaneça em remissão e não volte a incomodar, pois as crises são muito terríveis.

Compartilhe seu momento

Feedback