Contratando Pessoas com DII

Se você tem um funcionário que lhe contou que possui retocolite ulcerativa ou doença de Crohn (ele também pode ter usado o termo doença inflamatória intestinal (DII)), você deve estar se perguntando o que é a condição e qual impacto ela pode ter sobre o trabalho e a pessoa trabalhando para você.

Compreender a condição é o primeiro passo para garantir que você possa dar apoio e obter o melhor da relação profissional com seu funcionário.

Esta seção o ajudará a:

  • Compreender o que é a doença inflamatória intestinal
  • Compreender como a condição pode afetar seu funcionário
  • Compreender como pode ser possível, algumas vezes com alterações mínimas, para pessoas com Retocolite Ulcerativa ou doença de Crohn, trabalhar com sucesso e atingir seu potencial
  • Compreender o que você pode fazer para ajudar e como vocês podem trabalhar em conjunto

A maioria das pessoas com doença inflamatória intestinal (DII) vive uma vida produtiva e muitas trabalham em tempo integral. Porém, como com qualquer condição crônica, compreender e fazer os ajustes necessários para levar em conta as necessidades de saúde de seu funcionário pode realmente ajudar.

O que é DII?

Doença inflamatória intestinal (DII) é um termo usado para descrever uma inflamação crônica (contínua) do sistema digestivo .

Essas condições duram a vida toda e podem exacerbar ou melhorar de modo imprevisível. Muitas pessoas com DII terão longos períodos quando não apresentarão poucos ou nenhum sintoma.

Quais são os sintomas de DII?

Pessoas com DII não ficam se sentindo mal o tempo todo. A maioria das pessoas apresenta períodos de remissão nos quais se sentem relativamente bem intercalados com períodos de crises quando a condição piora. Os sintomas da crise incluem:

  • Dores estomacais
  • Necessidade urgente e/ou frequente de ir ao banheiro
  • Diarreia (algumas vezes com sangue)
  • Cansaço extremo
  • Náusea e vômito
  • Falta de apetite
  • Perda de peso

O que não é...

  • DII não é o mesmo que Síndrome do Intestino Irritável (SII), que é mais comum
  • Ela não é contagiosa

Qual é o tratamento?

DII é uma condição crônica (contínua), o que significa que exige tratamento contínuo. Se tomados corretamente, a maioria dos medicamentos ajudará a controlar as crises para que a pessoa possa viver uma vida normal.

Claro que todo medicamento contém o risco de efeitos colaterais e uma pessoa com DII pode sofrer de:

  • Ganho de peso significativo
  • Arredondamento da face
  • Acne
  • Mudanças de humor
  • Euforia a depressão
  • Dores de cabeça
  • Náusea
  • Sintomas tipo gripe
  • Maior risco de infecção (gripes e resfriados)

A DII afetará a capacidade de o meu funcionário trabalhar?

A maioria das pessoas com DII consegue trabalhar em tempo integral. Estudos sugerem que pessoas com DII priorizam o comparecimento ao trabalho e seu desempenho profissional. Mais da metade das pessoas estudadas relatou se esforçar mais no trabalho para compensar quaisquer imprevistos que resultaram de sua DII. Pessoas que estavam se sentindo bem com sua saúde obtiveram uma pontuação em produtividade profissional melhor do que a população em geral.

Como posso apoiar meu funcionário?

Compreender o que é DII e o efeito que ela pode ter sobre seus funcionários e conversar sobre a situação com seu funcionário ajudará os dois a encontrar a melhor maneira de seguir adiante.

Se seu funcionário sentir que é apoiado e compreendido, ele se sentirá melhor indo trabalhar e sentirá uma responsabilidade maior por seu trabalho e seus colegas.

Algumas coisas que podem ajudar incluem:

  • Banheiros acessíveis: pessoas com DII podem precisar de acesso urgente ao banheiro, sem muito aviso. Encontrar um local de trabalho próximo a banheiros pode ajudar bastante. As pessoas, compreensivelmente, se preocupam com cheiros e sons, o que pode ser constrangedor. Essas preocupações são geralmente a causa de estresse significativo
  • Banheiros adequados: Banheiros no local de trabalho geralmente não têm privacidade e ventilação suficiente. Nesses casos, o acesso a instalações separadas e individualizadas, como um banheiro para deficientes, pode ajudar a aliviar o constrangimento
  • Flexibilidade na agenda profissional: Se possível, ter horário flexível significa que seu funcionário pode trabalhar menos quando não está se sentindo bem e compensar o tempo perdido quando estiver recuperado. Às vezes, começar mais tarde pode ajudar com a compensação. Alguns chefes permitem a seus funcionários acumular banco de horas para que possam utiliza-lo quando precisarem
  • Ambiente social de apoio no trabalho: Colegas de trabalho que se apoiam mutuamente podem ajudar a melhorar a produtividade e o espírito de equipe. Sem dúvida que esses fatores não são específicos à DII, mas também são considerados melhores práticas de gestão e boas maneiras de atrair e reter funcionários comprometidos.
  • Licença para consultas médicas ou hospitalares: Conceder licença (que não faz parte das férias) é importante
  • Ajustar metas para considerar o efeito da licença ou  de fadiga
  • Capacidade de trabalhar remotamente: Encontrar um jeito de permitir que o funcionário trabalhe em casa pode ajudar a reduzir o cansaço e fazer com que a equipe se sinta amparada, principalmente quando não estiverem bem

Como devo proceder?

Encontrar a melhor forma de ajudar seu funcionário deve ser um processo de mão dupla. Reserve um tempo para sentarem e conversarem sobre a melhor maneira de prosseguirem. Pergunte ao(à) funcionário(a) se ele(a) gostaria que alguém da saúde ocupacional ou dos recursos humanos estivesse presente.

Lembre-se, esconder os sintomas de DII pode ser uma sobrecarga para o(a) funcionário(a). Pode ser um alívio conversar abertamente sobre sua condição. Mostrar respeito e compaixão provavelmente resultará no melhor desfecho para todos. 

Você pode começar:

  • Explicando que gostaria de planejar com antecedência para que possa pensar em estratégias antes que a necessidade surja para ajudar seu(sua) funcionário(a). Garantindo a seu(sua) funcionário(a)  que manterá o sigilo a esse respeito
  • Perguntando ao(à) funcionário(a) o que ele(a) acha ser mais difícil em sua condição
  • Conversando sobre o que pode ajudar (incluindo horários flexíveis, acesso a banheiro)
  • Conversando sobre como proceder durante uma licença (como ele(a) gostaria de ser contatado(a), atestados médicos, etc.)
  • Conversando sobre um procedimento de volta ao trabalho se um tempo de licença prolongado for necessário
  • Inclua: Se seu(sua) funcionário(a) precisar de pausas frequentes para ir ao banheiro, como organizar uma cobertura pelos outros funcionários, se isso for um problema
  • Pergunte ao(à) funcionário(a) se ele(a) gostaria de manter sua condição em sigilo ou como gostaria que os outros soubessem

Ao oferecer apoio constante e revisões frequentes, você e seu(sua) funcionário(a) podem encontrar maneiras de ajustar as práticas trabalhistas para facilitar a manutenção no emprego.

Pode haver vezes em que algumas pessoas com DII tenham de se ausentar mais que a média. Isso pode ser decorrente de crise grave ou ocasionalmente devido à cirurgia para sua DII. É comum que as pessoas percam a confiança sobre poder voltar ao trabalho ou não, mesmo após um tempo relativamente curto de ausência, e manter o contato com o(a) funcionário(a) pode ajudar.

Feedback