Intimidade

É natural se preocupar com o impacto que a doença inflamatória intestinal (DII) terá em suas relações pessoais e sexuais. Intimidade é uma preocupação válida e importante para muitas pessoas que vivem com DII. Você pode achar que a questão é muito pessoal ou constrangedora para falar com seu médico ou outro profissional da saúde.

A boa notícia é que, na maioria dos casos, a DII não afetará sua capacidade física de ter relações sexuais. Mas a verdade é que provavelmente haverá vezes em que você simplesmente não estará a fim, principalmente durante uma crise. Mas, assim como a DII pode ser controlada, esse efeito sobre o desejo e a atividade sexual também pode. O mais importante é lidar com os problemas emocionais e psicológicos.

Emoções

Você pode estar sentindo muitas emoções quando se trata de sua condição. Você também pode apresentar diferentes sentimentos no que se refere ao relacionamento com um(a) parceiro(a) novo ou já existente. Estes podem incluir sentimentos de constrangimento, ansiedade, preocupação ou chateação.

Estes podem ser decorrentes de problemas físicos (como sintomas de desconforto ou angústia) ou de como você se sente em relação a você mesmo e seu nível de confiança.

As preocupações que você pode ter incluem:

  • A retocolite ulcerativa ou a doença de Crohn deixam o sexo doloroso?
  • E se eu cheirar mal?
  • E se eu precisar usar o banheiro durante a relação?
  • Qual é o efeito que a medicação terá sobre meu desejo sexual / capacidade de fazer relação?

Esses medos são muito naturais. Converse com seu médico e seu(sua) parceiro(a) se puder. Lembre-se que conversar abertamente sobre qualquer preocupação ajudará a evitar constrangimentos e o(a) ajudará a acalmar. Sempre tente se lembrar de que períodos de atividade da doença são geralmente seguidos por períodos muito melhores de remissão quando você conseguirá levar uma vida “normal” mais uma vez.

Converse com seu(sua) parceiro(a) sobre como se sente e quando você poderá precisar de seu apoio extra. Compartilhar informações sobre a condição, incluindo como ela afeta sua imagem corporal, pode facilitar a intimidade. O modo como você o faz é importante. Mantenha as coisas simples. No começo não há necessidade de incluir todos os detalhes sobre a sua DII - você terá muitas oportunidades de diálogo conforme os dois forem ficando mais confiantes. Compartilhe com honestidade e confiança, e não com ansiedade e pessimismo. As pessoas que importam com você as entenderão.

Você pode mostrar a seu(sua) parceiro(a) este site como um ponto de partida para a conversa. Ter um relacionamento amoroso e uma rede de amigos e parentes pode fazer uma grande diferença em sua qualidade de vida.

A importância de conversar e ouvir

Se estiver apresentando problemas no sexo, especialmente se estiver com dor resultante da intimidade, é importante falar sobre isso com seu especialista em DII. Se não se sentir confortável conversando sobre esse assunto com seu especialista, você talvez se sinta mais à vontade conversando com  outro profissional da saúde (se tiver acesso a um) ou seu médico.

Dicas práticas

Há algumas coisas que você pode fazer para que sua intimidade fique melhor:

  • Se precisar utilizar supositório à noite, insira-o após a relação sexual. Isso reduzirá as chances de você precisar ir ao banheiro durante a relação
  • Utilize um gel lubrificante se sentir dor ou desconforto durante a relação sexual

Intimidade nem sempre significa relação sexual. Beijar e abraçar sem sexo quando você não está se sentindo bem pode trazer muito prazer para os dois.

Lembre-se, mesmo quando se sentir sobrecarregado(a) e constrangido(a) com sua DII, ela é apenas parte de quem você é. Tente se lembrar de todo o relacionamento: suas experiências, sonhos e objetivos em comum.

Preocupações comuns

Embora um relacionamento físico possa ser a última coisa passando por sua cabeça quando está tentando lidar com os sintomas e os efeitos da DII, você pode encontrar maneiras de ajudá-lo(a) a se sentir mais à vontade.

  • Sinto-me muito cansado(a): Certifique-se de descansar e dormir bastante. Os efeitos físicos da DII também podem levar a emoções fortes, que também podem fazer com que se sinta cansado(a). Tente relaxar o máximo possível e, se apropriado, discuta suas ansiedades com seu(sua) parceiro(a). Considere encontrar tempo para momentos de intimidade quando estiver menos cansado(a), como logo pela manhã em vez de tarde da noite
  • Minha medicação interfere com minha vida sexual: Ter retocolite ulcerativa ou doença de Crohn pode significar o uso de enemas ou supositórios antes de dormir, o que pode interferir com uma vida sexual espontânea. Se isso acontecer, tente ser espontâneo(a) outra hora do dia, em vez de à noite
  • Não me sinto atraente: Converse com seu(sua) parceiro(a) sobre como se sente. Você pode se surpreender com a resposta deles. Há muitas chances de ele(a) não ver as imperfeições que você vê! Pense em coisas que pode fazer para se sentir mais atraente: roupas bonitas, um novo corte de cabelo ou preparar um bonito cenário para momentos de intimidade
  • Sexo é doloroso: Complicações da DII (por exemplo, fístulas, infecção e fibrose ou estreitamento) podem causar dor durante a relação sexual. Converse com seu médico se este for o caso
  • Como a cirurgia irá me afetar? A cirurgia é realizada apenas se outras formas de tratamento não tiveram êxito e seu cirurgião tentará minimizar o risco de cicatriz. Em poucos casos, um estoma pode ser necessário. Embora isso seja algo com o qual se adaptar, a melhor maneira de você e seu(sua) parceiro(a) lidarem com essas questões é conversando sobre elas. Quanto mais informado(a) seu(sua) parceiro(a) estiver a respeito da DII, mais compreensivo(a) ele(a) será.

DII e cirurgia

Você pode ter conversado sobre cirurgia com seu médico como um possível tratamento para sua DII. Em pacientes com retocolite ulcerativa (RCU), a cirurgia pode oferecer uma cura; em pacientes com doença de Crohn, a cirurgia pode ser oferecida para ajudar com um episódio em particular ou se certas partes de seu intestino estiverem muito afetadas.

Embora a maioria dos pacientes que passam por cirurgia tenha uma recuperação completa com poucas complicações, é importante estar ciente de algumas mudanças que podem ocorrer como resultado da cirurgia:

  • Mulheres: Você pode sofrer uma redução ou perda da libido (desejo sexual); isso geralmente resulta de uma mudança na forma como você percebe seu corpo e por se achar menos atraente. Você pode apresentar sensação diminuída nas áreas sexuais, levando a uma ausência de excitação e secura vaginal. Isso pode tornar a relação mais desconfortável e dolorosa
  • O uso de um gel lubrificante e tentar diferentes posições podem ajudar a melhorar sua relação sexual. O mais importante é conversar com seu parceiro e não ter medo de pedir reafirmação de que seu parceiro ainda a acha atraente
  • Homens: Os nervos ao redor dos órgãos genitais (que estão muito próximos da área do intestino) podem ser cortados ou danificados durante a cirurgia. Isso pode levar a problemas com ereção e ejaculação. Na maioria dos casos, os nervos irão se recuperar e uma resolução completa pode ser esperada, embora possa levar alguns anos. Converse com sua parceira e peça para que ela seja paciente. Enquanto isso, explore métodos alternativos de se conseguir prazer sexual

Converse com seu médico se esses problemas persistirem por mais de dois anos. Ele(a) poderá encaminha-lo a um especialista para atendimento mais personalizado.

Feedback