Vivendo uma vida saudável

Dieta

Manter um estilo de vida saudável - se alimentar direito, praticar exercícios físicos e manter os maus hábitos o mais longe possível - traz benefícios para todos. Quando se tem DII, levar uma vida saudável também pode ajudar a controlar seus sintomas e manter a sensação de bem-estar.

Pessoas com DII geralmente terão:

  • Perda de apetite: Como resultado da sensação de mal-estar, dor e náusea e também da diarreia
  • Perda de peso: Como resultado da diarreia e da falta de apetite
  • Absorção alterada de líquidos, nutrientes e eletrólitos (“sais”) devido à inflamação no intestino delgado e/ou no cólon (intestino grosso)
  • Crises relacionadas à dieta (em algumas pessoas)

Uma dieta bem equilibrada pode ajudar a impedir deficiência nutricional, principalmente em pacientes com doença de Crohn.

Alimentação não é a causa de DII, mas certos alimentos podem desencadear uma crise ou piorar os sintomas. Esses alimentos podem variar muito de pessoa para pessoa e nenhum tipo de comida ou bebida agrava os sintomas para todas as pessoas com retocolite ulcerativa ou doença de Crohn.

Embora não haja uma dieta “mágica” que funcione para todo mundo com DII, uma dieta saudável geralmente ajudará a controlar sua DII e reduzir os efeitos de crises.

Uma dieta saudável se refere mais ao que você mantém na sua dieta e nem tanto ao que você corta. Se você excluir alimentos, mas não observar diferença real em seus sintomas, então, você poderá tentar reintroduzi-los de volta em sua dieta.

Para determinar quais alimentos tendem a provocar sintomas e crises, pode ser útil manter um diário alimentar. Isso pode o(a) ajudar a ver como sua dieta se relaciona com seus sintomas.

De um modo geral, pessoas com retocolite ulcerativa ou doença de Crohn devem:

  • Comer porções menores regularmente. Dividir a ingestão diária em 5-6 porções menores e coma a cada 2-3 horas. É melhor do que comer menos frequentemente e porções maiores. Porções menores ajudarão a reduzir a carga no trato digestivo, ajudando a digerir melhor os alimentos.
  • Reduzir a ingestão de gordura. Gorduras podem aumentar as contrações intestinais e, consequentemente, as dores do tipo cólica. Reduzir a ingestão de óleo, manteiga, gorduras endurecidas e margarina, creme, mas também sobremesas e bolachas recheadas, podem ajudar a minimizar a ingestão de gordura.
  • Reduzir a ingestão de açúcar simples. Este é encontrado no mel, nas sobremesas, nos bolos e em sucos de frutas concentrados. Eles podem causar ou aumentar a chance de diarreia.
  • Reduza ou evite a ingestão de leite e laticínios. Laticínios (leite, creme, queijo processado, um pouco menos com iogurtes integrais ou desnatados) podem agravar os sintomas de DII. Eles devem ser evitados durante crises e, em seguida, reintroduzidos gradualmente na dieta de acordo com sua tolerância pessoal a laticínios.
  • Evitar refeições conservadas e produtos embutidos
  • Evitar refeições picantes e apimentadas
  • Evitar adoçantes artificiais - principalmente sorbitol - que podem causar ou aumentar a chance de diarreia.
  • Evitar nozes e sementes
  • Evitar alimentos gordurosos e fritos, que podem causar gases e diarreia
  • Restringir alimentos com alto teor de fibra, como frutas frescas e legumes e grãos integrais, pois estes podem agravar os sintomas (principalmente quando o intestino está inflamado). Durante uma crise, é necessário evitar flocos de aveia e de milho, bem como legumes, vegetais e frutas com alto teor de fibra (principalmente repolho, couve, frutas cítricas, ameixas, uvas e pêssegos). As frutas e os legumes devem ser descascados, ter suas sementes retiradas e tratados no calor (por exemplo, maçã cozida é ideal)
  • Cozinhar alimentos com alto teor de fibra antes de ingeri-los: Em vez de eliminar esses alimentos necessários de sua dieta, cozinhe frutas e legumes e evite comê-los crus.
  • Evite alimentos que possam causar gases, como feijão, repolho, brócolis, cafeína e refrigerantes

Se um alimento em particular causar problemas, converse com seu médico ou nutricionista antes de eliminar permanentemente esse alimento da sua dieta. Talvez você precise adicionar um suplemento vitamínico ou mineral para substituir os nutrientes necessários.

Próximas etapas

  • Converse com seu especialista em DII para saber se você se beneficiaria com discutir sua situação com um nutricionista.
  • Leia as diretrizes para uma alimentação saudável.
  • Crie uma lista de compras que incorpore os alimentos que você aprendeu e acha que poderá gostar.
  • Converse com sua família ou com as pessoas que moram com você sobre quais alterações você fará a sua dieta.

Eu preciso me alimentar de modo diferente durante uma crise?

Durante uma crise, você talvez queira "dar um tempo" para seu intestino e restringir sua ingestão de alimentos. No entanto, como resultado, você poderá deixar de consumir nutrientes importantes, principalmente proteínas que ajudam o organismo a lidar com o processo inflamatório. Além disso, alguns medicamentos (principalmente corticoides) podem interferir com o metabolismo proteico. Pode ser mais fácil digerir o alimento se ele for cozido na forma de purê.

Após a crise ter sido resolvida, é importante que você reintroduza os alimentos que evitou no espaço de 3-5 dias, um por vez.

Há uma maneira especial de cozinhar minha comida?

Para ajudar a reduzir a pressão em seu sistema digestivo, os alimentos devem ser tratados no calor e de fácil digestão. Cozinhar em estufa, em vapor, refogar ou grelhar moderadamente são boas maneiras de cozinhar os alimentos. Você deve evitar fritá-los sempre que possível.

O que é uma dieta saudável e variada?

Os princípios básicos para uma dieta em DII são os mesmos para o restante da população. Isso significa que a dieta deve incluir uma mistura de alimentos contendo carboidratos (batatas, massa, arroz, pão, aveia, milho), alimentos ricos em proteína (carne vermelha, peixe, leite, ovos e queijo) e pouca quantidade de gordura, principalmente gordura animal. Junto com frutas, legumes e líquidos, esses fornecem a energia, vitaminas e oligoelementos que são necessários para garantir uma boa saúde.

Eu devo evitar leite?

Algumas pessoas não conseguem digerir a lactose adequadamente, o açúcar presente no leite e em muitos derivados do leite, independentemente se têm DII ou não. Isso ocorre por que eles não produzem uma enzima digestiva o suficiente, chamada lactase.

A fraca digestão da lactose pode levar a cólicas, dor abdominal, gases, diarreia e inchaço. Se não tiver certeza se é intolerante a lactose ou não, peça um "teste de tolerância a lactose" para identificar o problema.

Se tiver retocolite ulcerativa ou doença de Crohn, você também pode tentar limitar a ingestão de laticínios e ver se isso faz alguma diferença. Se você achar que é intolerante à lactose, você pode tentar adicionar suplementos de lactase para ajudar seu organismo a digerir esse tipo de alimento.

Laticínios são uma boa fonte de nutrição, principalmente cálcio e proteína, portanto, você deve, sempre que possível, manter a ingestão desse grupo alimentar.

Eu preciso tomar vitaminas extras?

Pessoas com doença de Crohn podem precisar tomar suplementos vitamínicos uma vez que a condição afeta o intestino delgado, a área responsável pela absorção das vitaminas dos alimentos.

A vitamina B12 é absorvida no íleo inferior. Se você tiver ileíte (a doença de Crohn que afeta o íleo), você pode precisar tomar vitamina B12, pois seu organismo não consegue absorver o suficiente dos alimentos.

Se estiver em uma dieta com baixo teor de fibras, você talvez não esteja recebendo certas vitaminas encontradas em frutas o suficiente, como a vitamina C, e poderá precisar de suplementação.

De um modo geral, é provavelmente muito útil para pessoas com DII tomarem um preparo multivitamínico regularmente.

Se você sofre de problemas digestivos ou foi submetido(a) à cirurgia intestinal, outras vitaminas, principalmente a vitamina D, podem ser necessárias principalmente em países onde não há muito sol e a ingestão de cálcio pode ser necessária. O uso de corticoides e a própria doença de Crohn estão relacionados ao afinamento dos ossos e à osteoporose, portanto, a ingestão adequada de cálcio e vitamina D é muito importante.

No geral, pessoas com DII não sofrem de deficiência mineral. Porém, suplementos de cálcio, fósforo e magnésio podem se mostrar necessários em pessoas com doença extensiva do intestino delgado ou com grandes porções do intestino removidas por meio de cirurgia. A terapia com ferro é útil para corrigir anemia. O ferro oral deixa as fezes escuras, o que algumas vezes pode parecer com sangramento intestinal.

Devo beber bastante líquido?

Uma vez que pessoas com doença inflamatória intestinal geralmente apresentam diarreia, há um risco de desidratação e possível problema renal. Inicialmente, a desidratação e a perda de sal criam uma sensação de cansaço. Se sua ingestão de líquidos não for o suficiente para a sua diarreia, sua função renal pode ser afetada. Pacientes com doença de Crohn podem ter maior incidência de cálculos renais. Por esses motivos, pessoas com DII devem consumir muito líquido, principalmente em tempo quente, quando a perda de sal e água pela pele pode ser alta.

Há suplementos que eu possa tomar?

No momento, há diversos estudos experimentais para saber se os suplementos exercem uma ação benéfica sobre a doença inflamatória intestinal. Exemplos incluem:

  • Óleos de peixe ou linhaça, na dieta ou como suplemento, ajudam a combater a inflamação em DII.
  • Carboidratos complexos (por exemplo, psyllium) que não são digeridos pelo intestino delgado, podem estimular as bactérias no cólon a produzir ácidos graxos de cadeia curta, que ajudam a mucosa (o revestimento) do cólon a se curar.
  • Acredita-se que o L-glutamato nutre o revestimento do intestino delgado e pode ser útil na cura de doença de Crohn em estágio inicial.
  • Probióticos (por exemplo, preparos de Lactobacillus e iogurte com cultura viva). Bactérias "boas" podem ajudar a restaurar o equilíbrio das bactérias intestinais (microflora). Iogurte vivo pode ser muito útil para ajudar na recuperação do intestino.

Ainda há muita pesquisa que precisa ser feita para saber como esses suplementos podem ajudar na retocolite ulcerativa e na doença de Crohn.

O tratamento com certos minerais (selênio, cálcio), vitaminas (ácido fólico) e medicações (os medicamentos 5-ASA parecem atender essa necessidade para muitos com DII) para impedir câncer colorretal ainda é um campo em desenvolvimento e haverá mais conteúdo a respeito conforme novos estudos clínicos vão sendo publicados.

Atividade física

Se estiver passando por uma crise de sua retocolite ulcerativa e doença de Crohn, você talvez não sinta vontade de se exercitar, mas você não deve utilizar seus sintomas como uma desculpa para não se exercitar.

Permanecer ativo(a) é bom para você psicológica e fisicamente. Osteoporose, uma condição na qual os ossos ficam fracos e quebradiços, é uma possível complicação da DII. Há evidências que mostram que a atividade física fortalece os ossos e ajuda a impedir a osteoporose. Se conseguir se exercitar, você não correrá o risco de “exagerar” só porque tem DII. Você terá uma boa ideia de quais tipos de exercícios você pode e não pode fazer.

Lembre-se:

  • Você não precisa praticar exercícios intensos para obter os benefícios
  • Atividades menos intensas (muitas das quais podem ser feitas próximo a banheiros) podem incluir alongamento e tonificação, caminhada, natação, bicicleta e golfe.

A prática de atividades mais vigorosas quando você está se sentindo bem é excelente - há uma série de atletas de elite com DII cuja condição não os impede de competir no mais alto nível.

Feedback